Avançar para o conteúdo principal

Doenças auto-imunes




Impeça o seu corpo de se auto-atacar

A incidência de doenças auto-imunes, em que o corpo se ataca a si mesmo, triplicou nas últimas décadas.
As mulheres são mais afectadas por  doenças autoimunes, que por doenças cardiovasculares e cancro de mama combinados.

Há uma grande variedade: esclerose múltipla, diabetes tipo I (anteriormente chamado de "diabetes juvenil" ou "diabetes insulina-dependente"), lúpus, tireoidite autoimune, artrite reumatoide, espondilite anquilosante, síndrome do Sjogren, doença de Crohn, e psoríase são todas doenças autoimunes.
Mas há, muitas outras que afectam o sistema nervoso, articulações, músculos, pele, glândulas endócrinas e cardíacas.

Em termos simples, as doenças auto-imunes são doenças em que o sistema imunológico do corpo, ataca os seus próprios tecidos, em vez de atacar os corpos estranhos, como bactérias (porque é para isso que o seu  sistema imunológico existe).
Isso ocorre quando algo interfere com o seu sistema imunitário. Cada vez mais, esta "coisa", torna-se a enorme quantidade de toxinas ambientais, às quais todos estamos expostos.
Sem cair em paranóia, nem exagerar os perigos, ("química" é um produto que não significa necessariamente "mau para a nossa saúde". Afinal, a água engarrafada é uma substância química...), vamos ver como as toxinas no nosso ambiente podem afectar a nossa saúde e desencadear doenças auto-imunes, e, depois fazer uma lista de nove dicas, para tratar essas doenças.


Poluição: maior causa de doenças auto-imunes

No nosso ambiente estamos sob uma incrível quantidade de toxinas. Mais de 80.000 novos produtos químicos (o que não significa necessariamente que eles sejam tóxicos), foram introduzidos na nossa sociedade desde 1900. Grandes quantidades de produtos tóxicos, são libertados na natureza a cada ano, mais de dez milhões de toneladas de acordo com EUA Agência de Protecção Ambiental (EPA).
O Mercúrio, que não estava presente no ambiente dos nossos antepassados, embora tenha sido comummente usado na medicina, vê aumentar a sua concentração na água do mar, os rios e os alimentos que comemos: 3.500 toneladas de mercúrio, são emitidos anualmente na atmosfera, pela actividade humana. De notar, contudo, que os picos principais de mercúrio, podem ser observados, através de "núcleos de gelo", que estão relacionados com explosões vulcânicas, que podem enviar instantaneamente milhares de toneladas de mercúrio para o ar.

No entanto, existe uma concentração de mercúrio, cada vez mais elevado em peixes, especialmente nos maiores que se alimentam dos pequenos e, portanto, tendem a concentrar toxinas na sua carne, em algumas áreas altamente contaminadas da América Sul, os peixes podem conter 1,67 mg de mercúrio por quilograma (INVS estudo de 1997). Recomenda-se evitar comer peixe grande (atum, espadarte, tubarão) por este motivo.

O nosso organismo está preparado para lidar com um nível razoável de toxinas

A presença de pequenas quantidades de toxinas nos nossos tecidos é perfeitamente normal, porque, pelo seu próprio funcionamento, o corpo produz resíduos. Para funcionar, o nosso corpo queima nutrientes e, portanto, inevitavelmente, produz "fumaça", toxinas. Também está equipado para se livrar delas. O corpo tem quatro órgãos que filtram o sangue, extraem toxinas e deitam fora. Estes são o fígado, os rins, os pulmões e a pele.
Uma porção de toxinas no corpo, provem a partir do desgaste dos tecidos. Diariamente, o corpo tem de eliminar os resíduos de células mortas, restos de glóbulos vermelhos, minerais usados, etc. A maioria das toxinas, no entanto, derivam da degradação das substâncias alimentares, pelo corpo. As proteínas, por exemplo, uma vez degradadas dão a ureia, ácido úrico; a combustão da glicose, produz ácido láctico e dióxido de carbono, gorduras mal transformadas: ácidos cetónicos.

Estas toxinas diferentes, são perfeitamente bem toleradas pelo corpo, desde que a sua presença não exceda um determinado limiar. Mas, uma vez passado este limiar, estas substâncias representam um perigo real para o corpo. Elas actuam como veneno, sobre os tecidos e órgãos, e a sua presença em excesso, interfere com o funcionamento normal do corpo.
Tal como um motor mal afinado que produz fumo negro, que acabaria por sufocar, também o seu corpo pode produzir muitas toxinas.

Quando a produção de “lixo” está para além das capacidades de eliminação do seu corpo, as toxinas que se acumulam nos tecidos, e preparam a cama para as doenças no futuro. É com números, que podemos melhor perceber, a importância de uma eliminação insuficiente: os rins devem eliminar 25 a 30 gramas de ureia em 24 horas. Se eles eliminarem 20 gramas, isto representa uma retenção de 5 gramas por dia, 150 gramas por mês! Se os rins eliminarem apenas 12 gramas de sal em 24 horas em vez de 15 gramas ou mais, que são absorvidas diariamente a partir dos alimentos, representa uma retenção de 3 gramas por dia ou 90 gramas num mês!

Drogas químicas e vacinas sintéticas são uma das causas do envenenamento dos nossos corpos. Tomadas em circunstâncias raras e excepcionais, essas drogas não teriam um efeito adverso sobre os nossos corpos como têm hoje, onde, infelizmente, o uso excessivo de medicação é predominante na população!
Além disso, absorvermos regularmente corantes, emulsionantes, intensificadores de sabor, estabilizantes, antioxidantes, conservantes, etc, todos os aditivos que juntamos aos alimentos, não para melhorar o seu valor nutricional, mas que eles tenham uma melhor apresentação e se conservem por mais tempo. Embora, presente em quantidades muito pequenas nos alimentos, foi, calculado que a cada ano, a média de consumo dessas substâncias é de cerca de 2 a 3 quilos!
Felizmente, nem todos os aditivos são tóxicos, e a maior parte são perfeitamente inofensivos. Alguns cosméticos, talcos, cremes, tinturas de cabelo, pós, desodorizantes, etc., Contêm substâncias nocivas ou no limite fisiológico.
Muitas substâncias tóxicas penetram-nos através das vias aéreas. O fumo do tabaco, em adição com os venenos libertados pelo fumo das fábricas, do aquecimento, e os gases de escape dos automóveis.

Esta lista não estava preparada para assustar, mas visa sensibilizar para as múltiplas fontes de resíduos. Prestando-lhes um pouco de atenção, a maioria destas fontes de intoxicação podem ser evitadas. O nosso organismo não é uma lata de lixo, onde você pode meter qualquer coisa.



Ligação com as doenças auto-imunes

Segundo o Dr. Douglas Kerr, professor da Escola de Medicina da John Hopkins (Baltimore, EUA), "não há dúvida de que as doenças auto-imunes estão-se a espalhar, e que a nossa crescente exposição a toxinas e produtos químicos no nosso ambiente alimenta o risco. A pesquisa é confiável. Suas conclusões irrefutáveis."

As toxinas ambientais são um factor importante, nas doenças auto-imunes. No entanto, a medicina convencional não o considera como factor  ao tentar tratar essas doenças.
Tentam bloquear reações imunitárias, com medicamentos para efeitos violentos, tais como anti-inflamatórios, esteróides como a cortisona, e novos medicamentos "imunossupressor", tais como anti-TNF alfa.
Mas essas novas drogas bloqueiam o sistema imunológico, de forma tão eficaz que aumentam o risco de infecção e de cancro. E têm tais efeitos colaterais, que o seu efeito, é muitas vezes apenas parcial. Podem salvar a sua vida a curto prazo, mas a longo prazo não têm efeito sobre as causas das doenças auto-imunes.

Dr. Mark Hyman, fundador da "medicina funcional" nos Estados Unidos, explica como já tratou centenas de pacientes com doenças auto-imunes, abordando as causas subjacentes, incluindo toxinas em excesso, infecções, alergias, má alimentação e stresse. Ele também dá seu testemunho pessoal:
"Anos atrás, eu sofria de síndrome de fadiga crónica. Esta doença tem componentes auto-imunes, e os meus exames ao sangue mostravam claramente que o meu corpo estava-se a atacar. Limpando o meu corpo de mercúrio, eu podia curar a minha fadiga crónica e os meus problemas de auto-imunidade. "
"A minha esposa também desenvolveu doenças auto-imunes, incluindo dores nas articulações e fadiga. Ao retirar o metal pesado, do seu corpo, através de um intenso programa de desintoxicação, ela também de curou. "
"E este foi o caso de muitos pacientes. Para cada um, eu tenho que encontrar todas as causas - toxinas, alergias, infecções, nutrição, stress - e adicionar as coisas que o seu corpo necessita, para funcionar em condições normais, tais como alimentos de alta qualidade e bons, nutrientes alvo, exercício físico, relaxamento, água, atividades sociais que deem sentido às suas vidas. Quando eu fizer isso, os resultados serão surpreendentes.”

Portanto, há maneiras de tratar doenças auto-imunes, que você ou alguém que você conhece sofre. 

As recomendações do Dr. Hyman:

• Fazer análises de sangue, e saber a taxa de mercúrio e metais pesados no seu sangue;

• Faça testes para a doença celíaca (uma reação auto-imune de grãos de trigo e outros contendo glúten, o que causa mais de 60 doenças auto-imunes). Considere eliminar da sua dieta todos os alimentos inflamatórios, durante algumas semanas, para ver se os seus sintomas melhoram. Veja porque o regime anti-inflamatório do Dr. Weil ou o hipo-tóxico do Dr. Seignalet;

• Tomar suplementos alimentares de reequilíbrio do sistema imunológico, incluindo a vitamina D, ácidos gordos essenciais (EPA / DHA) e probióticos;

• Pratique um método de relaxamento profundo, como yoga, meditação, biofeedback, ou outro método que reduza o seu nível de stress;

• Evite o contato (e consumo) de produtos, dos quais, não tem certeza dos efeitos tóxicos e alérgicos;

• Aprenda a aumentar a capacidade natural do seu corpo a desintoxicar. 

À vossa saúde! 

Texto original: Jean-Marc Dupuis

Tradução e adaptação: E. M. Gomes




Comentários

Mensagens populares deste blogue

5-HTP, alternativa natural contra a depressão

DESCRIÇÃO

5-HTP é o acrónimo de 5-hidroxitriptofano (ou 5-hidroxi-L-triptofano). Trata-se de um composto que se encontra fundamentalmente no cérebro. O 5-HTP forma-se a partir do triptofano, um aminoácido natural presente na dieta. O triptofano é um aminóacido essencial, o que significa que não pode ser fabricado pelo organismo e que deve obter-se a partir dos alimentos, especialmente das proteínas. No fígado e no cérebro, o 5-HTP transforma-se num neurotransmissor muito importante denominado serotonina. Os neurotransmissores são mensageiros químicos que transmitem sinais entre os neurónios no cérebro. 
A ingestão do 5-HTP aumenta a provisão corporal desta substância, o que dá lugar a níveis aumentados de serotonina no cérebro. A serotonina, também denominada 5-hidroxitriptamina ou 5-HT, desempenha um papel muito importante no controlo do comportamento e do humor. Influi em muitas actividades cerebrais normais e também actua como um grande regulador da actividade de outros neurotransm…

Melatonina: Um sonífero natural

A União Europeia finalmente autorizou um produto natural que ajuda a dormir melhor: A Melatonina
Se me pede a minha opinião, as pessoas que interditaram esta substância natural durante tantos anos, sem qualquer argumento científico, considerando que os distúrbios do sono afectam 25 a 40% da população, cometeram um crime grave contra os seus concidadãos.
Mas sejamos positivos, e voltemos aos benefícios que se podem ter ao tomar a melatonina:
Um meio eficaz contra a insónia
Assim que a luz do dia enfraquece, a sua glândula pineal, que está localizado no seu cérebro começa a secretar melatonina. Esta substância, que é uma hormona natural, prepara o corpo para dormir e descansar.
Com efeito, a glândula pineal está directamente ligado ao nervo óptico: ela está em sintonia com a luz. É por isso que a melatonina é conhecida como a hormona que regula o relógio biológico, também conhecido como ritmo vigília-sono ou o ritmo circadiano. É por isso que as pessoas cegas, muitas vezes têm problemas …

Os terríveis malefícios da Candida Albicans

Quando está infectada de Candida albicans, dizemos que tem "sapinho" ou mais precisamente "candidíase", a infecção fúngica mais comum. Candidíase é mais conhecida, para o público em geral, na forma de "sapinhos", essas manchas brancas na boca e lábios, coceira horrível. Os “sapinhos” afetam principalmente crianças e pessoas com sistema imunológico debilitado, (pessoas tratadas com antibióticos, quimioterapia ou com AIDS). O diagnóstico é óbvio, a maioria dos médicos não se enganam
Mas, na realidade, as nossas sociedades industriais estão infectadas com Candida albicans, muito além de pessoas que sofrem de aftas: 90% dos americanos têm uma taxa mais elevada do que o normal de Candida albicans no intestino; 80 milhões de pessoas estão infectadas, e 70% são mulheres. 
Muita da população tem micoses nos dedos, sob as unhas e, muitas vezes: mais frequentemente colónias de Candida albicans.
Começa com pequenas espinhas vermelhas nos dedos. As unhas dos pés tor…