Avançar para o conteúdo principal

Castanheiro-da-índia (Aesculus hipocastanum L.)



Nome Comum: Castanheiro-da-índia

Nome Latino: Aesculus hipocastanum L.

Família:  Hipocastanáceas

N. Vulg.: Castanha da índia.

História: Árvore centenária que se encontra ao lado do edifício da Junta de Freguesia do Fundão por detrás de dos Paços do Concelho. Existem na Beira Interior e em Portugal exemplares desta árvore em jardins e parques. Até ao fim do séc. XIX pensou-se que esta era originária das montanhas da Índia (razão de ser do seu nome vulgar), vindo a descobrir-se que afinal nascia nas zonas montanhosas da Grécia e Turquia. As castanhas não são comestíveis sem preparação prévia a não ser por animais. Durante a segunda guerra mundial, utilizaram-se mil e quinhentas toneladas destas castanhas para alimentação e fins medicinais.

Descrição/Habitat: O castanheiro da índia de flores esbranquiçada e de folha caduca (Aesculus hippocastanum) é uma árvore frondosa podendo atingir os 40 metros de altura. Os frutos apresentam-se numa cápsula verde, eriçada de pelos mais ou menos espinhosos e as suas sementes são semelhantes a castanhas e floresce na primavera. Cultivada como ornamento, em Portugal e outros países. É muito empregada em marcenaria.

Partes Utilizadas: Sementes e casca.

Composição Fotoquímica: Possui amido em grande quantidade, bem como assim óleo. Tem como principais activos: pigmentos flavónicos e saponinas. A casca contém tanino, um heterósido, etc…

Propriedades Terapêuticas: Disponível em comprimidos, cápsulas, xaropes, extracto fluido e cremes, para o tratamento de problemas do sistema circulatório e no tratamento de hemorróidas, varizes, pernas pesadas, hipertrofia da próstata, etc… Hoje da casca obtêm-se uma tinta vermelha e a sua infusão é usada internamente para combater hemorragias uterinas e hemorroidálicas, inflamações do aparelho digestivo, artrites, etc. Externamente esta é utilizada para tratamento de eczemas, feridas e queimaduras, para preparar emulsões lavagens do couro cabeludo, é ainda um excelente vaso constritor e anti-inflamatório. O óleo pode também ser usado na alimentação humana assim como a fécula das sementes após lavagem com água alcalina.

Fitoterapia: As sementes são ricas em saponinas e vitaminas B1 e K, são tónicas e adstringentes, utiliza-se a tintura das sementes a 1/10 na dose de 1g por dia, a alcoolatura a 50/100 na dose de 20 gotas por dia. Antigamente utilizava-se a sua casca para combater a febre e evitar a fragilidade capilar.

Outras informações:  Das sementes obtêm-se um óleo que serve para iluminação.  O óleo pode também ser usado na alimentação humana assim como a fécula das sementes após lavagem com água alcalina. A farinha das sementes é utilizada em cosmética e a polpa no fabrico de sabões. A infusão alcoólica das suas flores é usada contra dores reumáticas, nevralgias e artrites. O termo hippocastanun, de origem grega, significa castanha dos cavalos devido ao facto desta ser utilizada pelos turcos para curarem afecções pulmonares dos cavalos.

Mais informações
Maria Gomes
Bibliografia: Botânica Medicional Vol. II (Matéria Médica), Autor: Professor Nunes, João Ribeiro; Medicina Popular – Tratamento pelas Plantas Medicinais, Autor: Professor Nunes, João Ribeiro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

5-HTP, alternativa natural contra a depressão

DESCRIÇÃO

5-HTP é o acrónimo de 5-hidroxitriptofano (ou 5-hidroxi-L-triptofano). Trata-se de um composto que se encontra fundamentalmente no cérebro. O 5-HTP forma-se a partir do triptofano, um aminoácido natural presente na dieta. O triptofano é um aminóacido essencial, o que significa que não pode ser fabricado pelo organismo e que deve obter-se a partir dos alimentos, especialmente das proteínas. No fígado e no cérebro, o 5-HTP transforma-se num neurotransmissor muito importante denominado serotonina. Os neurotransmissores são mensageiros químicos que transmitem sinais entre os neurónios no cérebro. 
A ingestão do 5-HTP aumenta a provisão corporal desta substância, o que dá lugar a níveis aumentados de serotonina no cérebro. A serotonina, também denominada 5-hidroxitriptamina ou 5-HT, desempenha um papel muito importante no controlo do comportamento e do humor. Influi em muitas actividades cerebrais normais e também actua como um grande regulador da actividade de outros neurotransm…

Os terríveis malefícios da Candida Albicans

Quando está infectada de Candida albicans, dizemos que tem "sapinho" ou mais precisamente "candidíase", a infecção fúngica mais comum. Candidíase é mais conhecida, para o público em geral, na forma de "sapinhos", essas manchas brancas na boca e lábios, coceira horrível. Os “sapinhos” afetam principalmente crianças e pessoas com sistema imunológico debilitado, (pessoas tratadas com antibióticos, quimioterapia ou com AIDS). O diagnóstico é óbvio, a maioria dos médicos não se enganam
Mas, na realidade, as nossas sociedades industriais estão infectadas com Candida albicans, muito além de pessoas que sofrem de aftas: 90% dos americanos têm uma taxa mais elevada do que o normal de Candida albicans no intestino; 80 milhões de pessoas estão infectadas, e 70% são mulheres. 
Muita da população tem micoses nos dedos, sob as unhas e, muitas vezes: mais frequentemente colónias de Candida albicans.
Começa com pequenas espinhas vermelhas nos dedos. As unhas dos pés tor…

Falta de acidez no estômago - Hipoclorídria

Cãibras nas pernas durante a noite

Nunca lhe acontece acordar durante a noite com cãibras nas pernas, mesmo que não tenha feito qualquer esforço físico em particular? Você tem mais de 40 anos? Já experimentou tomar magnésio, cálcio, potássio - e, talvez, a vitamina E - e as suas cãibras aliviam um pouco, sem no entanto desaparecerem?
Se este for o seu caso, pode estar a sofrer de hopocloridria, um problema de saúde relacionado com a falta de ácido no estômago. O ácido no seu estômago é bom para si!
As paredes do estômago segregam pelo menos três litros de ácido por dia. Isto é feito através das células que revestem a parede do estômago, e são capazes de "bombear protões", isto para dizer, que para bombear iões hidrogenados do sangue, e de os trazer para o estômago. O ácido gástrico é, portanto, um concentrado de íoes hidrogenados (isto não é um curso de química, convido os leitores interessados a aprender mais sobre este fenómeno interessante, na página do Wikipedia correspo…