Avançar para o conteúdo principal

Equinácea




Descrição

A equinácea é uma planta perene da família das Compostas, comummente conhecida como a família das margaridas.
É nativa da pradaria Norte Americana e abundante na zona oeste-central. Cultiva-se amplamente com fins ornamentais e medicinais. As pétalas da flor caem a partir de um cone central composto por muitas florzinhas tubulares. A planta floresce do meio do Verão ao Outono. As cabeças das flores podem medir até 10cm de diâmetro. As folhas são de cor verde-escura, opostas, inteiras, lanceoladas, dentadas e com pequenos pelos à sua volta. As folhas superiores são mais estreitas e estão agarradas ao caule. As folhas inferiores são maiores, emergem directamente do caule e podem chegar a alcançar até 20cm de comprimento.

Utilização geral

Há três espécies de equinácea que são úteis medicinalmente. Echinacea Angustifolia, Echinacea Purpurea e Echinacea Pallida. Toda a planta tem numerosas propriedades medicinais que actuam sinergicamente para conseguir os seus efeitos benéficos. A equinácea utiliza-se sobretudo para fortalecer o sistema imune e lutar contra a infecção. As investigações demonstraram que e equinácea aumenta a produção de interferão no organismo.  Este é antisséptico e antimicrobiano, actua através de um aumento dos glóbulos brancos disponíveis para destruir bactérias e retarda a difusão da infecção. Como depurativo, o extracto da planta limpa e purifica a corrente sanguínea e foi utilizada com eficiência para tratar furúnculos.
A equinácea favorece o tratamento das feridas através da acção de uma substância química presente na raiz conhecida como glicósido ácido cafeico. Como imunomodolador, a equinácea actua gradualmente favorecendo uma alteração benéfica em todo o sistema. Utilizou-se também para tratar a infecção urinária e as infecções por Candida albicans. A equinácea é fabrífugae, portanto, útil para reduzir a febre, assim como para tratar as hemorróidas. Sob a forma de tintura ou de decocção forte, serve para lavagens bocais no tratamento da piorreia e da gengivite.
Os índios nativos da América do Norte utilizavam a equinácea com fins antissépticos, como remédio para as mordeduras de serpente, para matar a cede, para lavar as mãos e aumentar a tolerância ao calor. Com a chegada dos antibióticos a planta perdeu parte da sua popularidade. Actualmente, estão comercializados bálsamos, tinturas, chás e extractos que são fornecidos em doses standard.
 Diversos estudos clínicos observaram que toda a planta possui propriedades medicinais com diferentes níveis de eficiência. A equinácea é especialmente benéfica para o tratamento de infecções respiratórias do tracto superior. Em alguns casos foi demonstrado que a equinácea activa os macrófagos que destroem as células do crancro e os patógenos quando se toma depois dos tratamentos para o cancro. Observou-se que um extracto da raiz aumenta a produção no organismo de glóbulos brancos. A equinácea mostrou-se eficaz quando se toma ao começarem os sintomas da doença. Outras investigações demonstraram um efeito significativo da equinácea purpúrea para reduzir a duração e a gravidade das constipações e da gripe. Algumas referências herbáceas usam só a raiz como a parte medicinal e outras incluem as partes aéreas da planta, particularmente a folha. Os estudos de investigação realizados concluíram que toda a planta é eficaz medicinalmente. A maior parte dos estudos fizeram-se sobre as espécies de Echinacea pallida e Echinacea purpúrea. Todas as espécies de equinácea são ricas em vitaminas e minerais. A equinácea é uma fonte herbácea de niacina, cromo, ferro, manganésio, selénio, sílica e zinco.


Preparações

A qualidade de qualquer suplemento herbáceo depende em grande parte das condições climáticas e do solo onde se colheu a planta, do momento e do cuidado da colheita e da forma de preparação e de armazenamento.
A decocção é o melhor método para extrair os sais minerais e outros componentes curativos derivados de partes da planta, como a raiz, a casca e os caules. Prepara-se adicionando 30g de materiais secos da planta ou 560g de parte da planta fresca a 500ml de água fervida não clorada num recipiente metálico. Deixa-se repousar a mistura durante meia hora, depois côa-se e cobre-se. A decocção pode conservar-se no frigorífico até dois dias, no máximo, sem que perca as suas qualidades curativas.
A infusão é o método utilizado para obter benefícios das folhas, das flores e dos caules. A quantidade da planta fresca a utilizar deve ser o dobro da planta seca. Deixa-se repousar em água fervida não clorada, durante 10 a 15 minutos, depois côa-se e cobre-se. Bebe-se quente, adoçada com mel, se se desejar; a dose padrão é de três chávenas por dia. A infusão pode guardar-se durante dois dias no frigorífico, sem que perca as suas qualidades curativas.
A tintura é o método habitual para preparar um concentrado do remédio herbáceo. As tinturas, adequadamente preparadas e armazenadas, mantêm a sua eficácia medicinal durante dois anos ou mais. Combinam-se 120g da planta fresca, finamente cortada ou de planta seca em pó com 500ml de conhaque, genebra ou vodka num recipiente de vidro. O álcool deve ser suficiente para cobrir as partes da planta e deve estar numa proporção de 50% com água. A mistura deve ser colocada longe da luz durante duas semanas, e agitada várias vezes ao dia. Côa-se e armazena-se numa garrafa de vidro escuro hermeticamente fechada. A dose padrão é de 4ml de tintura 3 vezes ao dia.


Precauções

A equinácea é considerada segura nas doses recomendadas. No entanto, as mulheres grávidas ou que amamentam não a devem tomar sob a forma de injecção. A planta tem propriedades demonstradas como imunomoduladoras, pelo que as pessoas que sofrem de lúpus eritematoso sistémico, artrite reumatoide, tuberculose, leucemia, esclerose múltipla ou sida devem consultar o seu médico antes de a tomar. A equinácea não se deve dar às crianças com menos de 2 anos e só deve administrar-se às crianças depois de ter sido consultado o médico de família. A investigação indica que a equinácea é mais eficaz quando se toma no início dos sintomas do resfriado ou da gripe e quando a sua utilização se mantêm durante apenas oito semanas. Existe alguma indicação de que a planta perde a sua eficácia quando se utiliza durante um longo período de tempo. É necessário interromper a administração durante pelo menos algumas semanas para dar oportunidade ao sistema imunitário do organismo de descansar e de se ajustar.

Efeitos secundários

Não se descreveram efeitos secundários com a administração oral da equinácea, tanto em tintura como em cápsulas ou em infusão, quando se toma de acordo com as doses recomendadas. Descreveram-se casos de calafrios, febre e reacções alérgicas em alguns estudos de investigação quando se utiliza a injecção de extracto da planta.

Interacções

Não se descreveram. Quando se usa em combinação com outras plantas deve diminuir-se a dose.


Bibliografia: Manual de Medicinas Complementares

Comentários

Mensagens populares deste blogue

5-HTP, alternativa natural contra a depressão

DESCRIÇÃO

5-HTP é o acrónimo de 5-hidroxitriptofano (ou 5-hidroxi-L-triptofano). Trata-se de um composto que se encontra fundamentalmente no cérebro. O 5-HTP forma-se a partir do triptofano, um aminoácido natural presente na dieta. O triptofano é um aminóacido essencial, o que significa que não pode ser fabricado pelo organismo e que deve obter-se a partir dos alimentos, especialmente das proteínas. No fígado e no cérebro, o 5-HTP transforma-se num neurotransmissor muito importante denominado serotonina. Os neurotransmissores são mensageiros químicos que transmitem sinais entre os neurónios no cérebro. 
A ingestão do 5-HTP aumenta a provisão corporal desta substância, o que dá lugar a níveis aumentados de serotonina no cérebro. A serotonina, também denominada 5-hidroxitriptamina ou 5-HT, desempenha um papel muito importante no controlo do comportamento e do humor. Influi em muitas actividades cerebrais normais e também actua como um grande regulador da actividade de outros neurotransm…

Os terríveis malefícios da Candida Albicans

Quando está infectada de Candida albicans, dizemos que tem "sapinho" ou mais precisamente "candidíase", a infecção fúngica mais comum. Candidíase é mais conhecida, para o público em geral, na forma de "sapinhos", essas manchas brancas na boca e lábios, coceira horrível. Os “sapinhos” afetam principalmente crianças e pessoas com sistema imunológico debilitado, (pessoas tratadas com antibióticos, quimioterapia ou com AIDS). O diagnóstico é óbvio, a maioria dos médicos não se enganam
Mas, na realidade, as nossas sociedades industriais estão infectadas com Candida albicans, muito além de pessoas que sofrem de aftas: 90% dos americanos têm uma taxa mais elevada do que o normal de Candida albicans no intestino; 80 milhões de pessoas estão infectadas, e 70% são mulheres. 
Muita da população tem micoses nos dedos, sob as unhas e, muitas vezes: mais frequentemente colónias de Candida albicans.
Começa com pequenas espinhas vermelhas nos dedos. As unhas dos pés tor…

Falta de acidez no estômago - Hipoclorídria

Cãibras nas pernas durante a noite

Nunca lhe acontece acordar durante a noite com cãibras nas pernas, mesmo que não tenha feito qualquer esforço físico em particular? Você tem mais de 40 anos? Já experimentou tomar magnésio, cálcio, potássio - e, talvez, a vitamina E - e as suas cãibras aliviam um pouco, sem no entanto desaparecerem?
Se este for o seu caso, pode estar a sofrer de hopocloridria, um problema de saúde relacionado com a falta de ácido no estômago. O ácido no seu estômago é bom para si!
As paredes do estômago segregam pelo menos três litros de ácido por dia. Isto é feito através das células que revestem a parede do estômago, e são capazes de "bombear protões", isto para dizer, que para bombear iões hidrogenados do sangue, e de os trazer para o estômago. O ácido gástrico é, portanto, um concentrado de íoes hidrogenados (isto não é um curso de química, convido os leitores interessados a aprender mais sobre este fenómeno interessante, na página do Wikipedia correspo…